Carvoeira

A Carvoeira tem raízes muito antigas, sendo já conhecidos testemunhos da presença humana desde o Paleolítico.

Já no século XVI era um antigo reguengo medieval, servido por um pequeno porto, e apesar de ser uma freguesia pequena, existem alguns momentos históricos que merecem destaque.

Em 28 de Outubro de 1514 foi concedido por D. Manuel I foral à nossa freguesia

Excerto do foral da Carvoeira

“Item há outrossim na dita vila um Reguengo da coroa do reino onde chamam a Carvoeira, no qual se paga assim de pão e de vinho como de qualquer outro novidade ou coisa que se lhe colhe no dito reguengo o quarto de tudo. 

E paga mais qualquer lavrador com que se parte monte de pão, de cada monte grande ou pequeno, um alqueire de pão que partem. 

E o nosso oficial ou rendeiro lhe dará vinho e fruta à custa das rendas. 

E chamarão a este direito Maria Mendes.”

Em 1836, extinto o município, a Carvoeira passou a freguesia do concelho da Ericeira e, em 1855, integrou o município de Mafra. A título de curiosidade em 1900 a Carvoeira tinha 194 fogos e 717 habitantes.

Mesmo não existindo confirmação histórica, diz-se que existiu outrora um pequeno do porto, junta à Igreja da Sra. do Ó, também denominada Sra. do Porto, onde terão navegado barcos com carvão, facto esse, que terá dado origem ao nome da freguesia.

A freguesia da Carvoeira foi abençoada com uma incomparável beleza natural, onde campo e praia convivem de forma harmoniosa, num conjunto de lugares únicos.

Do vale da Sra. do Ó às belas praias da Foz do Lizandro e de S. Julião, a nossa freguesia oferece infraestruturas de qualidade quer seja para um período de descanso quer para residência permanente.